Mostra-te

Jaz esplendor de beleza
quem olhos alheios deleitam
bem usufrui qualquer um
Com ou pudor algum

Viver! Viver! Ouvia
Desfigurado-se ia, dia pós dia
Adiante teus olhos
Contemplava alegria
Como enfeite ornado
Teu coração sofria

Olhem! Olhem! 
Gastavas o que não tinha
Jus teu nome fazia

Vivia, ouvia, ria
Sentia e não refletia
Passadas nestas escuras via
Beleza senhoril
Afunda estas dores no rio

Dizia não sabia
nuvens de baixo
de onde viria
nada omitia

Espere teu prazer
Deleite teu amargo
Tuas entranhas encobertas
exposta tuas injúrias
de uma simples dama bela

Apessoado são palavras
que denigre e avulta
difama e transforma
faz do feio, belo
do belo realidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Deus do Velho e do Novo Testamento

John Bunyan: Um retrato de si